Texto

O que é arte? Todos nós fazemos essa pergunta quando visitamos uma mostra de arte contemporânea. Não é por acaso que o livro Isso é Arte? (titulo original What are youlookingat?), do editor de artes da BBC, Londres, Will Gompertz, tem feito muito sucesso entre conhecedores e não conhecedores do assunto.

A cada ano mais e mais pessoas têm visitado museus, galerias e exposições de arte contemporânea, buscando se aproximar desse meio de expressão tão instigante, quer seja por meio dos projetos educativos implantados em diversas instituições, ou das feiras de arte que têm atraído um número impressionante de visitantes.

Os projetos que vêm sendo desenvolvidos pelo grupo Aluga-se parecem vir ao encontro dessa tentativa de aproximação com o público. Os artistas têm se aproximado mais e mais dos interessados, sempre de forma lúdica, através dos projetos educativos realizados em diversas regiões do país, ou participando de feiras de arte com trabalhos a preços acessíveis. Assim, trazem para o mercado de arte um público que não pode acompanhar os valores praticados pelas galerias e artistas renomados.

O stand/instalação Pagou pescou, apresentando este ano na PARTE (feira de arte que, justamente, se singulariza por incentivar um novo mercado de arte) é um exemplo de como envolver o público com arte por meio de uma ação divertida e, ao mesmo tempo, crítica. O trabalho consiste em uma bancada realizada com tábuas de madeira velha, uma caixa de madeira, também usada, onde estão distribuídos peixinhos de plástico coloridos sobre serragem, uma vara de pescar e três prateleiras coloridas com as mesmas cores dos peixes, onde estão dispostas diversas obras. Em outras palavras, o stand já é uma obra de arte em si.

O visitante/comprador, então, é convidado a pagar R$290,00 por pescaria. Ou seja, ele deve pagar, pegar a vara de pescar e tentar capturar o peixe da mesma cor da prateleira onde se encontra a obra que ele deseja adquirir.Sendo bem sucedido na pesca, o comprador pode levar a obra escolhida consigo.

O que o comprador não percebe, ou só se dá conta no final da ação, é que com esse ato ele participa de uma performanceem que ele é o personagem principal. A montagem proposta pelo grupo rompe com a simples ação de entrar num stand de uma feira de arte e adquirir uma obra. O comprador se torna a atração principal do stand no momento da pescaria. E essa ação é viciante. Dificilmente um comprador consegue pescar um peixe e levar apenas uma obra. É como numa pescaria mesmo. Não nos contentamos com um peixe só… E, desta forma, somos fisgados pelo delicioso vício do colecionismo.

Rejane Cintrão
Isso é Arte
www.issoearte.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s